Virada nos Andes - aumento significativo na disponibilidade do equipamento

28 de Junho de 2016

Quando a mina de cobre El Sauce, do Chile, iniciou uma investigação dos motivos da sua queda de produtividade, a baixa disponibilidade do equipamento de perfuração foi identificado como fator chave. O que veio depois tornou-se "inédito" no setor.

Acredita-se que a mina El Sauce, no Chile, de propriedade de Las Cenizas Mining Group, seja a primeira empresa do setor de mineração que renovou sua frota inteira de perfuratrizes na busca de um futuro mais lucrativo. Localizada a cerca de 170 km ao norte de Santiago, a capital, El Sauce passou um tempo sofrendo com a produtividade decrescente e, no meio de 2014, foi iniciada uma investigação para identificar a causa. Depois de vários meses, os investigadores anunciaram que encontraram a fonte do problema: tempo de parada excessivo do equipamento de perfuração de produção devido aos reparos e manutenção insuficientes das perfuratrizes. Como resultado, foi iniciado um plano para otimizar a disponibilidade das perfuratrizes com o apoio dos especialistas da Atlas Copco - uma cooperação que acabou levando à renovação de todas as perfuratrizes e mangueiras.

“Anteriormente, uma equipe de perfuradores habilitados demorava quatro minutos para perfurar 48 furos. Hoje, com as novas perfuratrizes, a mesma equipe faz o mesmo número de furos em dois minutos e meio. Isso significa que agora estão perfurando uma face em aproximadamente duas horas e meia, o que é fantástico.”

Raul Fara Engber, Chefe de Manutenção em El Sauce

Programa de troca

Turnaround in the andes â   significant increase in equipment availability

A Atlas Copco fez a recompra de toda a linha existente de perfuratrizes (um total de 27) e, em seguida, as substituiu por 12 novas, sendo quatro COP 1435 e oito COP 1838HD+. Além disso, a Atlas Copco forneceu a assistência técnica para a instalação das novas perfuratrizes nas oficinas subterrâneas e a otimização do desempenho delas nos vários locais de perfuração.


Além desse programa de troca, a equipe descobriu que as perfuratrizes com desempenho aquém do esperado também eram afetadas pela confiabilidade e disponibilidade de mangueiras hidráulicas da frota, que estavam sendo trocadas em uma frequência excessiva, acrescentando ainda mais custos de manutenção. Como resultado disso, todas as mangueiras também foram atualizadas. Essas iniciativas provaram ser os catalisadores de uma melhoria drástica. Antes de 2014, a taxa de disponibilidade do equipamento de perfuração era 60%. Hoje, é 90%.


Raul Fara Engber, Chefe de Manutenção em El Sauce, afirma que os benefícios são fáceis de verificar em termos de produtividade.
"Anteriormente, uma equipe de perfuradores habilitados demorava quatro minutos para perfurar 48 furos", diz ele. "Hoje, com as novas perfuratrizes, a mesma equipe faz o mesmo número de furos em dois minutos e meio. Isso significa que agora estão perfurando uma face em aproximadamente duas horas e meia, o que é fantástico."


A substituição do estoque de perfuratrizes também revelou um bônus surpreendente. Os testes realizados com a COP 1838HD+ mostraram que esses modelos têm várias finalidades, apesar de terem sido projetados para perfuração de face. Montadas nas carretas de perfuração Simba, elas podem ser usadas para perfuração radial de furos longos com a mesma eficiência e falha zero. Também foi descoberto que a nova COP 1435 era suficientemente potente e robusta para instalar tirantes de 2,5 m de comprimento, uma tarefa que não poderia ser realizada antes da renovação.


Leia o artigo completo em Mineração & Construção on-line.


Carretas de perfuração a céu aberto Pedreira