Pedreira otimizada, enxuta e ecológica na Polônia com a SmartROC T35

28 de Janeiro de 2016

A pedreira GZD Siewierz, no sul da Polônia, prepara-se para uma produção mais enxuta com a SmartROC T35, que cortou os níveis de ruído e o consumo de energia pela metade.

As pedreiras de dolomita na área de mineração Brudzowice move as rodas da indústria da Polônia. Elas alimentam o setor de construção com base de estradas e agregado, abastecem a agricultura com material para fertilizantes e fornecem fluxo para fusão de ferro e aço.

A dolomita, que é ao mesmo tempo classificada como mineral e rocha, é escavada no sul do país, onde muitas minas de cobre e carvão também estão localizadas. Aqui, a cerca de 35 km da cidade de Katowice, no sul da Polônia, uma SmartROC T35 da Atlas Copco foi colocada em operação na pedreira GZD Siewierz. Está em uma missão para melhorar a produtividade na perfuração de furos de desmonte, abaixar o custo de extração e melhorar o ambiente de trabalho dos operadores.

SmartROC T35 in Poland

"Introduzimos a SmartROC T35 porque precisávamos fazer economizar nas nossas operações de perfuração. Em comparação com nosso equipamento mais antigo, podemos reduzir os custos de operação em 50%”, diz Zbigniew Tomsia, Presidente da Górnicze Dolomitowe Kruszywa S. A., que e é proprietária e operadora da pedreira. Ele continua: “A SmartROC T35 foi adaptada às nossas necessidades. Ela tem soluções modernas, incluindo um kit silenciador que era importante para nós, a fim de melhorar o conforto de operação.” A pedreira GZD Siewierz tem uma produção anual que varia de um milhão a até 1,9 milhão de toneladas. A capacidade de produção pode atingir 2,5 milhões se a demanda for alta. A pedreira tem seis níveis de escavação, com vários tipos de dolomita em cada nível.

Financiamento ambiental

Um fator chave na decisão da empresa de atualizar a frota e investir em “equipamento de ponta”, como Tomsia o descreve, era a possibilidade de obter financiamento para equipamentos com eficiência energética. “Conseguimos demonstrar ao nosso banco que poderíamos fazer economias de energia da ordem de 20% com a introdução da SmartROC T35, que beneficia o ambiente", afirma. "A taxa de operação por metro é fenomenal. Alcançamos um consumo de combustível de 0,38 litros por metro perfurado, ou 12,89 litros por hora." Isso equivale a uma redução de 50% dos custos de combustível.


"Outra vantagem é o monitoramento on-line das máquinas", acrescenta. "Podemos realizar uma análise completa e ler quantos furos foram perfurados em um dado dia, por quanto tempo a unidade de perfuração esteve em operação, a distância coberta e as horas do motor.

SmartROC T35 in Poland

“Por motivos ambientais, também providenciamos a instalação de um sistema coletor de pó na unidade de perfuração”, complementa Tomsia. A empresa possui um relacionamento de longo prazo com a Atlas Copco, que remonta a 1997, quando a primeira unidade de perfuração ROC D7 foi adquirida.

A recém-introduzida SmartROC T35 tem alinhamento automático de avanço e sistemas de manuseio de hastes, bem como GPS. Ela é equipada com hastes de perfuração de 45 mm e coroas de perfuratriz de 76 mm. A carreta de perfuração atinge uma taxa de penetração de 1,52 m por minuto em bancadas com 10 a 14 m de altura com um peso e um espaçamento de 2 m x 2,5 m.

Baixo ruído, elevado conforto

Antes da compra da SmartROC T35, o operador Ireneusz Borówka visitou uma pedreira na República Checa para avaliar o desempenho e o conforto da unidade de perfuração. "Há muito espaço na cabine e os dois joysticks multiuso são muito úteis", explica seu parceiro de turno e segundo operador, Marek Borówka. "Todos os botões são multifuncionais o que significa que posso usar o mesmo joystick para adicionar hastes de perfuração durante a perfuração e depois mudar para controlar os atuadores.

“O sistema de ar-condicionado também funciona bem e tem alta eficiência quando a temperatura é alta e o ar é úmido, impedindo que as janelas da carreta de perfuração fiquem embaçadas. Além disso, o kit silenciador reduziu o ruído em 50% e torna a unidade de perfuração confortável para o trabalho. Agora podemos realmente conversar quando estivermos próximos."

Enquanto 60% a 70% da dolomita da pedreira se torna agregado para a construção de estradas e edifícios, Tomsia salienta o desafio de demanda sazonal. A pedreira fornece atualmente mais dolomita às indústrias químicas para fabricação de fertilizantes e, neste inverno, espera fornecer para a indústria de aço. “Isso significa que a produção flexível e de baixo custo é essencial", diz ele, "e é por isso que é importante aumentar a eficiência.

A nova SmartROC T35 está nos ajudando a atingir essa meta.

Carretas de perfuração a céu aberto Pedreira