Christensen - um novo capítulo na história da Rio Tinto

9 de Janeiro de 2014

A exploração moderna ajuda a revitalizar a icônica mina de cobre da Espanha.

Christensen CT20 Rio Tinto

A enorme área de exploração de Huelva na região da Andaluzia, no sul da Espanha, é muito conhecida pela vermelhidão do rio que passa pelo seu centro - e por ser uma das minas mais antigas da Terra, que remonta a mais de 3 000 anos. Localizada a cerca de 65 km a noroeste de Sevilha, também é o local que deu seu nome a uma das maiores e mais famosas empresas de mineração do mundo, a Rio Tinto. No entanto, no final do século passado, as operações de mineração aqui foram interrompidas devido a uma baixa dos preços do cobre e uma retração da demanda. O local foi finalmente fechado em 2001, mas isso não significa a que história da Rio Tinto tenha chegado ao fim. A atual proprietária do local, EMED Mining, atualmente está reabilitando o local, preparando-se para a retomada em 2015. É um plano ambicioso, mas com uma estimativa de 123 Mt de cobre ainda não exploradas, com a vantagem adicional de uma unidade de transformação e outras instalações que ainda estão em bom estado, a EMED espera que a mina esteja em operação novamente em um tempo relativamente curto. As preparações no local irão continuar até 2014, incluindo um novo programa de perfuração de exploração. Isso está sendo realizado pela MATSA (Minas de Aguas Teñidas), que, por sua vez, mobilizou o empreiteiro de mineração e engenharia civil Ensersa, uma empresa com capacidade de oferecer a mais recente tecnologia de exploração.

“A CT20 é uma grande máquina e uma prova da qualidade que a Atlas Copco fornece. Estamos muito satisfeitos com ela e seus resultados. Além disso, o treinamento fornecido pelos técnicos de serviço da Atlas Copco foi inestimável, e vim a compreender o quanto essa máquina é capaz de realizar. Os meus perfuradores também estão mais confortáveis com a CT20. O que é verdadeiramente impressionante é o silêncio da máquina durante a perfuração e a facilidade de utilização.”

Isidoro Sanchez, Gerente de Operações da Insersa

Tarefa árdua no Cerro Colorado

Christensen CT20 Rio Tinto

A frota de perfuratrizes da Ensersa é composta por plataformas de perfuração de exploração da Atlas Copco. Isto inclui as carretas de perfuração de superfície Christensen para diferentes profundidades e capacidades, bem como carretas de perfuração Diamec para trabalhos de testemunho. Mas é a mais recente versão da carreta de perfuração Christensen - a CT20 - que está dando a maior contribuição ao projeto. Parece que essa unidade potente, robusta e bastante compacta, que é capaz de atingir profundidades de 2.450 m (diâmetro N), foi a escolha perfeita. No entanto, a equipe de perfuração logo descobriu que a geologia em Rio Tinto, principalmente no poço de Cerro Colorado e ao redor dele, era mais desafiadora do que eles haviam imaginado. Usando as ferramentas perfuratrizes diamantadas Hobic e Excore, a maior parte dos furos escavados foi perfurada usando o sistema de wireline HO. As rochas e sedimentos subterrâneos encontrados abaixo da superfície eram duros, variados e com camadas de quartzo espalhadas desordenadamente, em um grande contraste com as colinas suaves e arredondadas da paisagem da Andaluzia ao redor. As condições difíceis produziram uma quantidade excessiva de cortes que ameaçou bloquear o barrilete e aumentar o desgaste na corrente de perfuração. Além disso, estava causando perda de água, resultando em desgaste excessivo da coroa. Em um esforço para fazer a CT20 atingir todo o seu potencial, a Atlas Copco organizou um curso de treinamento de uma semana para o pessoal da Insersa, e os técnicos foram levados para estudar as condições do local. A principal preocupação era que as coroas estavam se desgastando muito rápido e a troca de coroa estava tornando o tempo de parada inaceitavelmente alto. Depois de três dias, os parâmetros de perfuração foram modificados de acordo com as recomendações dos técnicos da Atlas Copco. A rpm, taxa de penetração e fluxo de água foram todos aumentados. Além disso, a equipe aumentou sua habilidade na regulagem da tração da corrente de perfuração e do WOB (weight on bit, peso na coroa). Antes das modificações, os perfuradores relatavam que a vida média da coroa era de 50 a 60 m. Depois das modificações, a vida útil da coroa aumentou notavelmente - para 240 m. Além disso, os perfuradores começaram a atingir seu objetivo: mais testemunho na caixa em menos tempo e com aumento de produtividade.

Mais testemunho na caixa

A CT20 permite que os perfuradores ajustem o fluxo de água, rotação, torque e taxa de penetração. À medida que formações e durezas de rochas são encontradas, o engenhoso sistema de controle permite uma taxa de penetração constante que mantém a eficiência de perfuração ideal. Isso também permite que os operadores concentrem-se em outros aspectos da operação, como a documentação de resultados ou a afiação de coroas, sem precisar fazer constantes ajustes em alavancas, botões e controles giratórios no painel de controle. Roberto Pascual, Gerente de Linha de Negócios da Atlas Copco na Espanha para equipamento de perfuração geotécnica, resume: "Existem três importantes lições a tirar neste caso. Em primeiro lugar, que é importante compreender as capacidades da máquina e os sistemas que ela usa para perfurar. Em segundo lugar, para testar as capacidades do equipamento e identificar como obter a máxima produtividade, em terceiro lugar, a importância da abertura e da estreita colaboração.

“Foram a comunicação e a colaboração que levaram ao desenvolvimento da CT20. E isso também nos permitiu ajudar o cliente a atingir produtividade mais alta, o que se traduz em custos operacionais reduzidos, tempo de parada reduzido e mais testemunho na caixa.”

Roberto Pascual