Šarani - Dentro do orçamento e do cronograma

Šarani - Dentro do orçamento e do cronograma

Šarani - Dentro do orçamento e do cronograma

15 de Maio de 2015

Sendo um dos cinco túneis em construção atualmente na seção de 40,3 km da Ljig-Preljina na Sérvia, o túnel Šarani é extraordinário. Esta seção do Corredor 11 conecta a fronteira nordeste da Sérvia com a Romênia e sua fronteira sudoeste com Montenegro, no Mar Adriático.

Além dos túneis, isso também envolve a construção de 78 pontes. Os cinco túneis são Brdjani (455 m de comprimento), Savnica (270 m), Veliki Kik (200 m), Ljig-Golubac (25 m) e Šarani, com aproximadamente 900 m, é o mais longo.

“Dois dos túneis estão sendo escavados usando o método de corte e cobertura, enquanto os outros três, incluindo Šarani são túneis clássicos”

Zoran Kovacˇevc´, Engenheiro-chefe de Operações Técnicas e Construção da Energoprojekt

Energoprojekt Niskograndna plc tem sido subcontratada para escavar a estrada Šarani e é uma das cinco empresas sérvias trabalhando em um consórcio, junto com a AzVirt, empresa de construção do Azerbaijão, que é a empreiteira principal para as obras civis. O cliente é a estatal Koridori Srbije (ou Corredores da Sérvia). Este projeto é financiado por um empréstimo de 370 milhões de euros junto ao governo do Azerbaijão, dos quais 41 M€ foram alocados para a construção do túnel Šarani. Šarani será um túnel de galeria dupla (883 m e 887 m). A construção teve início em março de 2013 e a conclusão está prevista para antes do final de 2015.

“Atualmente, estamos dentro do orçamento e do cronograma e esperamos permanecer assim até o final do projeto, apesar do fato que o avanço foi difícil devido às condições geológicas”

Kovacˇevc´

A escavação segundo tubo está prevista para terminar em junho, depois disso começarão a preparar o túnel para uso, trabalhando no revestimento de concreto, construção da estrada, instalações elétricas e mais. Kovacˇevc´ explica que a geologia aqui é difícil para qualquer tipo de trabalho subterrâneo, pois o solo é composto de Serbian Serpentine, um tipo de rocha em transformação que se torna macia em contato com a água. “Na prática, ela se transforma em lama,” afirma, complementando que a qualidade da rocha não é suficiente para a técnica de perfuração e detonação em todos os momentos, o que tornaria a escavação muito mais rápida. A flutuação dentro da formação geológica é naturalmente desafiadora.

“De uma área com rocha relativamente boa, em que usamos a perfuração e detonação, para uma área com rocha muito macia, precisamos empregar outros métodos, isso pode mudar facilmente dentro de 20, 50 ou 100 metros”

Kovacˇevc´

"Nós simplesmente não sabemos, e portanto, precisamos monitorar continuamente as condições para decidir qual o método mais prático e seguro para avançar o túnel.” Por esse motivo, as pesquisas geodésicas e o mapeamento geológico são realizados diariamente.

Perfuração e detonação

Quando é permitido usar perfuração e detonação, os jumbos de perfuração Boomer L2 da Atlas Copco são utilizados, enquanto que na parte com formações mais fracas, os martelos hidráulicos HB 2500 e HB 7000 e montados nas escavadeiras são utilizados. O revestimento do teto do tubo é realizado usando o sistema Symmetrix da Atlas Copco, tirantes autoperfurantes radiais e bombas MAI M400NT são utilizadas no trabalho de reforço de rocha. "Também utilizamos arcos de aço e concreto pré-moldado e duas camadas de rede de aço", acrescenta Kovacˇevc´, observando que, em rocha boa, somente uma camada é necessária ou não é usada rede nenhuma. "Com sorte, nosso concreto projetado precisa ter apenas 20 cm de espessura, mas com frequência pode atingir mais de 30 cm," diz ele, acrescentando que esta é a prova da má qualidade do solo. Šarani também utiliza três plataformas de injeção de calda de cimento Unigrout da Atlas Copco, duas delas são Unigrout Flex M E22. A ventilação nos túneis é fornecida por um ventilador equipado com 1.400 m de dutos flexíveis da Atlas Copco.