Os suecos colocaram a caçamba GET da Scooptram atualizada à prova

7 de Junho de 2015

Com galerias estreitas e uma combinação complicada de minério a enfrentar, a mina Lovisa da Suécia foi o campo de teste ideal para o GET atualizado - uma nova caçamba Scooptram com recursos mais inteligentes e duradouros.

GET system - side view

As caçambas montadas em veículos LHD têm uma tarefa implacável na mineração, pois são inseridas repetidamente em pilhas de entulho com uma força tremenda. Mais pesquisa sobre como torná-las mais fortes e duradouras é bem-vinda entre as minas, como foi comprovado durante um teste de campo recente na Suécia. Lançada inicialmente em 2010, a caçamba GET tem um sistema de Ferramentas de Penetração no Solo flexível. O projeto de atualização incluiu vários objetivos chave: aumentar a penetração na pilha de entulho, prolongar a vida útil da caçamba, facilitar o processo de reparo, aumentar a produtividade e reduzir o tempo parado e o custo total de propriedade. Ao longo de um período de teste de 18 meses, a caçamba GET foi colocada em ação em um ambiente desafiador - a mina Lovisa, ou o Lovisagruvan, que é uma operação de zinco e chumbo próxima da cidade de Lindesberg.

“Quase não havia nenhuma tempo de parada na carregadeira quando eles trocaram a caçamba, e esse foi o primeiro bom sinal”

Jan-Erik Björklund, Gerente Geral, Mina Lovisa

A Mina Lovisa está localizada em uma região do país rica em minerais, conhecida como Bergslagen, ao norte do Lago Mälaren, que tem uma longa história de mineração de metais. Tem uma produção anual de 100.000 toneladas de zinco e chumbo, incluindo os resíduos de rocha.

Galerias estreitas, rampas serpenteantes

Devido às galerias estreitas da mina, que medem apenas 3,5 m de largura, o transporte e deslocamento é a parte mais sensível do ciclo de produção, Os veículos LHD também precisam lidar com as curvas fechadas em todas as rampas. Outro desafio é a mistura de minério de zinco e chumbo, com pequenas quantidades de prata, que pode ser difícil para manipular. É por isso que a Mina Lovisa mostrou-se um campo de teste ideal para a caçamba GET atualizada.

“A nossa Scooptram ST7 faz a maior parte da remoção de entulho, o que normalmente leva quatro horas. Isso corresponde grosseiramente a 160 toneladas de rocha que são desmontadas em cada rodada”

Jan- Erik Björklund, Gerente Geral, Mina Lovisa

As caçambas são esvaziadas diretamente em caminhões de transporte em baias de carregamento, que são espaçadas em 80 a 100 m. Cerca de 400 toneladas de material são removidas e transportadas todos os dias. Os resíduos de rocha também são transportados de volta para o subterrâneo, para preencher os vazios desmontados.

Vida útil de 30% a 40 % mais longa

A caçamba GET foi projetada para resistir a desgaste extremo. O sistema de Ferramentas de Penetração no Solo montado na borda da caçamba proporciona maior penetração na pilha de entulho, conforme observado durante o teste pelo operador Peter Johansson.

“Ficamos surpresos em ver que praticamente não havia desgaste depois de seis meses. Essa é uma imensa diferença da caçamba anterior, em que as bordas se desgastavam mais rápido. Elas precisavam de reparos muito antes”, diz ele. “Além disso, com a caçamba antiga, era fácil perceber quando estava ficando desgastada. A ação ficava mais lenta ao atacar a pilha de entulho. Isso não aconteceu com a nova GET”

Peter Johansson, Operador

A melhor penetração da caçamba é o resultado de uma composição de aço mais resistente utilizada na fabricação da caçamba. Isso também contribuiu para uma vida útil mais longa, que registrou uma melhoria de 30 a 40% durante o teste.

Peças de serviço removíveis

Contrariamente às caçambas convencionais, a borda do fundo da caçamba, que entra em contato primeiro com a pilha de entulho, foi dividida em segmentos removíveis. Isso significa que os reparos podem ser feitos em partes específicas, os protetores de cantos, por exemplo, trazendo venefícios econômicos, pois não é mais necessário o recondicionamento completo. De acordo com Stefan Nordqvist, que tem mais de 20 anos de experiência em carregamento, a manutenção agora “é uma questão de horas em vez de dias".

“Na caçamba GET, podemos trocar os cortadores laterais em menos de uma hora e ter a carregadeira de volta ao trabalho. Não é mais necessário soldar e isso é um grande alívio”

Stefan Nordqvist, Operador

Mais minas compreenderam as vantagens de utilizar as Ferramentas de Penetração no Solo, de acordo com Johannes Turesson, Gerente de Produtos da Atlas Copco: "As peças de desgaste aparafusadas exigem requerem uma fração do tempo para serem substituídas, em comparação com as peças soldadas”, afirma.

Carregadeiras a diesel